domingo, 23 de janeiro de 2022

Carro zero se torna um sonho inviável

Sair de carro novo da concessionária fica mais distante do brasileiro e custa ao menos 40 salários mínimos

Se, quatro anos atrás, 28 salários mínimos eram suficientes para comprar um automóvel, hoje não se adquire um zero por menos de 40 salários mínimos


Carro zero fica mais distante e custa ao menos 40 salários mínimos

Em um mercado em que os modelos populares estão à beira da extinção e o custo de financiamento sobe em velocidade que não se via havia 13 anos, sair de carro novo de uma concessionária vem se tornando um sonho inviável a um número cada vez maior de brasileiros.

Se, quatro anos atrás, 28 salários mínimos eram suficientes para comprar um automóvel, hoje não se adquire um zero quilômetro por menos de 40 salários mínimos. Isso porque o salário mínimo, com alta de 27%, não conseguiu acompanhar o salto três vezes maior no período (83%) do preço do carro mais barato do mercado - hoje, o subcompacto Kwid, da Renault, que custa R$ 48,8 mil.

Levantados com exclusividade para o Estadão/Broadcast pela consultoria Jato Dynamics, os dados oferecem um retrato do abismo entre a renda e preço dos veículos. Revelam também em números como a transição dos carros compactos a modelos maiores, tanto em tamanho quanto em conteúdo tecnológico, mudou o curso de um produto que vinha, por muito tempo, tornando-se mais acessível.

A pandemia ajudou a acentuar bastante a elitização no consumo de automóveis porque as restrições de oferta abriram margem ao repasse de aumentos de todo tipo na estrutura de custo das montadoras: do frete aos materiais usados na produção, passando pela energia, e com tudo maximizado pelo câmbio mais caro.

MUDANÇA

A guinada das montadoras tem origem anterior à crise sanitária. Nem a indústria, decidida a voltar a ser rentável em vez de brigar por participações de mercado a qualquer preço, nem o consumidor de menor renda estão dispostos a pagar a conta das tecnologias de controle de emissões e segurança que vêm se tornando obrigatórias nos carros fabricados no País.

Assim, as montadoras decidiram se voltar nos últimos cinco anos a um público de maior poder aquisitivo, investindo em modelos maiores - especialmente utilitários esportivos (SUVs) e picapes.

CUSTO

O resultado é que modelos populares estão sendo aposentados - entre eles, o Uno e, futuramente, o Gol -, enquanto os carros que seguem no mercado estão sendo vendidos, na média, por mais de R$ 120 mil. Antes da pandemia, essa conta ficava abaixo dos R$ 100 mil, conforme dados da Bright Consulting.

O mercado de carros teve dois momentos distintos nas últimas duas décadas. Durante a maior parte desse período, entre 2000 e 2018, o produto se tornou mais acessível, e com anos marcados por incentivos do governo, como o IPI reduzido, o consumo anual de automóveis de passeio chegou a passar das 3 milhões de unidades - o dobro do ano passado.

Porém, após esse ciclo, o movimento se inverteu, com o carro voltando a se distanciar do alcance dos brasileiros nos anos seguintes, marcados pela ascensão dos SUVs sobre os segmentos de entrada e avanços do padrão tecnológico em meio à globalização das plataformas.

Numa comparação que ilustra bem a diferença de viabilidade do produto, o brasileiro precisa trabalhar três vezes mais do que o americano para conseguir comprar um automóvel, se considerado o salário mínimo de cada país.

Nos Estados Unidos, o modelo mais barato é o Chevrolet Spark, que em sua versão mais básica custa US$ 13,6 mil, ou 12 salários mínimos de um trabalhador de lá com jornada de 40 horas semanais.

Diretor de desenvolvimento de negócios da Jato, Milad Kalume Neto diz que, mesmo se o dólar se estabilizar abaixo de R$ 5 no futuro, a possibilidade de o preço de entrada do automóvel voltar ao valor mais próximo de R$ 40 mil esbarra na prioridade da indústria.

"Para lançar veículos mais acessíveis, a indústria precisará de tempo para amortizar investimentos realizados nos últimos anos e realizar mais lucros. Não podemos nos esquecer que o setor vem se recuperando de três crises nos últimos anos sete anos", afirma Kalume Neto, referindo-se à recessão doméstica de 2015/2016, a pandemia e, agora, a crise de oferta causada pela escassez de componentes eletrônicos.

MODELO ANTIGO

Há quase seis meses em busca do meio de transporte para ir ao trabalho, o enfermeiro Bruno De Paula foi um dos brasileiros que viram o sonho do carro próprio ficar mais difícil. Ele conta que pensava em adquirir um seminovo popular como o HB20. Contudo, precisou optar por um modelo com mais de dez anos de fabricação. "Para não abrir mão de alguns itens de conforto, eu preferi comprar um mais antigo."

Notícias ao Minuto com informações do jornal O Estado de S. Paulo

Band compra briga com a Globo

FAUSTÃO E BBB22: uma disputa por audiência ou uma parceria com o público?! entenda a rivalidade entre a Globo e a Band todas as noites

WhatsApp Image 2022 01 21 at 16.08.44 - FAUSTÃO E BBB22: uma disputa por audiência ou uma parceria com o público?! entenda a rivalidade entre a Globo e a Band todas as noites

Não é novidade que a TV Band comprou uma briga com a Globo ao acender os holofotes para Fausto Silva com um programa de exibição de segunda a sexta-feira, em um horário muito próximo ao Big Brother Brasil, o reality mais famoso e mais querido pelos brasileiros.

Curiosamente o programa de Faustão, como é carinhosamente conhecido, estreou no dia 17 de janeiro, mesmo dia de estreia do BBB. Há quem diga que foi proposital e há quem diga que foi intenção da Band colocar o ex-dono das tardes de domingo da Globo no fogo cruzado.

Eu não posso afirmar que a Band e a Globo vão bater de frente, onde poderíamos considerar uma épica guerra por audiência, porque os programas acontecem em horários próximos, porém diferentes. Enquanto Fausto Silva encerra o seu espetáculo às 22h30 da noite, a casa mais vigiada do Brasil entra ao vivo nas telinhas da Globo às 22h50.

Eles podem até triscar, se ocorrer uma espécie de atraso, mas a realidade é que Fausto já iniciou sua temporada na casa nova faturando muito bem, mesmo antes da sua estreia. A expectativa para o BBB22 também gerou muitas especulações e discussões nas redes sociais. Sendo assim, os dois programas prometem agitar e gerar muito entretenimento nas casas das famílias brasileiras, pelo menos durante os próximos meses.

Muitos falam em briga por audiência, outros em disputa por atenção, mas é perceptível que a TV Band não quis entrar na briga para roubar o público do BBB, seria até um pouco de audácia; os acompanhantes do reality são fiéis e não iriam trocar de programa favorito assim tão fácil. Nesse caso, tá mais para uma parceria com o público, termina de assistir um e já corre para acompanhar o outro.

Polêmica Paraíba - Publicado por: Suedna Lira

Câmera do “Faustão na Band” leva choque no palco

CHOQUE: Câmera sofre descarga elétrica em palco do programa do apresentador Fausto Silva e é internado às pressas

estreia de faustao na band ao lado do filho joao guilherme e da jornalista anne lottermann 1642463807538 v2 450x337 - Câmera leva choque em palco de Faustão e é internado às pressas

Foto: Reprodução/Band

Antônio Carlos Marin, um dos câmeras do “Faustão na Band”, sofreu uma descarga elétrica em cima do palco do programa na última sexta-feira (21) à noite.

Com a câmera no ombro, ele estava filmando um carro elétrico para um “merchandising” do programa, quando tocou a maçaneta do carro e foi jogado ao chão com violência.

Colegas de Marin correram para ajudá-lo, mas, assim que tocaram nele, também levaram uma descarga elétrica — embora bem mais fraca.

Marin foi levado às pressas para o Hospital São Luiz, unidade do Morumbi (zona sul de São Paulo). Por precaução ele até chegou a ser encaminhado rapidamente para a UTI, mas logo foi transferido para um quarto comum.

Até ontem estava ainda sob observação, mas passa bem e deve ter alta a qualquer momento.

A Band informou que já acionou sua equipe de engenheiros e técnicos e já fez uma ação de reforço de isolamento em todo o palco, mas ao mesmo tempo está passando um “pente fino” em toda estrutura para evitar novos incidentes.

Fonte: Splash - Créditos: Polêmica Paraíba - Publicado por: Gerlane Neto

Satisfação na cama

Esqueça o “foi bom para você?” e aprenda a descobrir se o sexo está legal para o parceiro (a)

WhatsApp Image 2022 01 21 at 16.00.09 - SATISFAÇÃO NA CAMA: esqueça o "foi bom para você?" e aprenda a descobrir se o sexo está legal para o parceiro (a)

Por mais experiente que a pessoa seja nas relações sexuais, em algum momento bate aquela dúvida: “Será que ele ou ela está satisfeito?”. Mas, não é tão simples como parece, fazer essa abordagem e descobrir essa resposta.

Para a terapeuta sexual Thais Plaza, mesmo tendo uma relação de intimidade, muitas pessoas sentem dificuldade de se expressar sexualmente.

E é aí que entra a comunicação corporal que deve ser incentivada entre o casal: “Pequenos sinais entregam as respostas da parceria para o ato sexual. Seja a respiração, a excitação, o olhar, ou as expressões. Tudo isso denuncia quando a pessoa está realizada”, esclarece Thais.

A coach sexual Delma Eusébio aponta que para saber se o par está satisfeito, o primeiro caminho é abordar. Mas sabemos que a tarefa não é tão simples assim. Por isso, confira alguns meios de entender esses sinais e como descobrir se a parceria está satisfeita na cama.

Eu estou curtindo?

De acordo com a especialista Delma, antes de entender se a parceria está ou não satisfeita, a pessoa deve se preocupar com sua própria satisfação na cama.

Muitas vezes, a preocupação em realizar o parceiro, principalmente pelas mulheres, faz com que elas se esqueçam do próprio prazer na hora “H”.

“Na verdade, o melhor que podemos fazer é se sentir realizada e realmente ter prazer na cama, fazendo aquilo que gostamos e queremos”, orienta. Afinal, quando fazemos o que queremos e temos prazer, e passamos essa percepção, a parceria também se sente realizada ao ver o prazer do outro.

Desfaça nóias

Então, para estar satisfeito e dar prazer ao outro, é preciso desfazer as inseguranças e medos sobre desempenho na cama. Sentir segurança para fazer apenas aquilo que dá prazer e transparecer essa satisfação.

Foi bom para você?

Nem todo mundo se sente bem naquela conversa pós sexo. O famoso e temido questionamento “Foi bom para você” pode levar a uma conversa constrangedora e talvez não sincera. Afinal, nem todos vão mandar a real logo após a transa, caso não tenha sido boa.

Mas, para evitar essa conversa e ainda assim ter as respostas aos questionamentos, vale analisar alguns sinais pós sexo: “Ficar deitado ao lado do par já é um sinal. Diferente de quando a pessoa levanta com pressa no pós sexo e imediatamente vai fazer outra coisa, ou focar no celular”, aponta a coach sexual.

Conversar sobre sexo

E se não vai rolar um diálogo no pós sexo, vale conversar durante a transa. “Por exemplo em relação à velocidade, intensidade e posição. Você pode perguntar se a pessoa gosta daquele jeito, ou perceber os sinais em relação às reações do corpo”, indica Delma. Outra dica é usar a leitura corporal a seu favor, estando atento ao comportamento do par, seja com gemidos, olhares ou toques.

Atingir o orgasmo é sinal de que foi bom?

Se a pessoa gozou, é sinal que foi bom, certo? Nem sempre. “Gozar não é a única prova de que foi bom. Pode ser que a pessoa não chegue ao orgasmo, mas isso não quer dizer que o processo da relação não foi prazeroso”, esclarece Delma.

Conexão do casal

Por fim, a especialista Thais Plaza reforça que a melhor forma de abordar o assunto, caso as dicas iniciais não funcionem e haja um problema entre o casal, é procurar a terapia sexual: “Para criar a conexão entre o casal para ter a liberdade de falar desse assunto”, finaliza.

Fonte: Polêmica Paraíba

Afogamento de 11 pessoas de uma mesma família na Paraíba

Bombeiros resgatam 11 turistas de uma mesma família de afogamento na Praia de Coqueirinho, região Metropolitana de João Pessoa 

AFOGAMENTO 300x206 - Bombeiros resgatam 11 turistas de afogamento na Praia de Coqueirinho

Onze pessoas de uma mesma família foram resgatadas, na tarde da última sexta-feira (21), de um afogamento na Praia de Coqueirinho, por Guarda-vidas (GV) do Batalhão de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba.

Segundo o relato do órgão, o episódio envolveu 8 crianças e 3 adultos, residentes no Distrito Federal, e que estavam conhecendo o Litoral Sul do estado.

A família acessou o banco de areia pelas pedras da prainha e ao tentarem retornar, caminharam sentido a praia, entraram no processo de afogamento.  Os guarda-vidas, então, abordaram as vítimas, conduzindo-as à praia com a ajuda do equipamento flutuante, rescue rube.

Por meio das redes sociais, o Corpo de Bombeiros deixou orientações aos turistas e banhistas que frequentas as praias do estado. Confira a seguir.

1. Praia somente na presença de guarda vidas e nunca alcoolizado.
2. Respeite as sinalizações e avisos, não entre na água com bandeira vermelha.
3. Água no umbigo, sinal de perigo. Caso seja pego por uma corrente fique calmo, não lute contra, flutue e acene por ajuda imediatamente.
4. Costões e locais com pedras são impróprios, não entre na água, risco de morte.
5. Ajude um afogado ligando 193, e ao invés de entrar para salvar, jogue um material flutuante e aguarde o socorro profissional chegar

Confira a publicação a seguir:

Polêmica Paraíba - Publicado por: Felipe Nunes

Jovem é baleado com 5 tiros no interior da Paraíba

ESTADO GRAVE: jovem é baleado com cinco tiros, na manhã deste domingo, em Cruz do Espírito Santo, na Paraíba 

WhatsApp Image 2022 01 23 at 10.25.56 e1642953897933 300x184 - Estado grave: jovem é baleado com 5 tiros, em Cruz do Espírito Santo

Um jovem foi baleado com pelo menos cinco tiros, no início da manhã deste domingo (23), em Cruz do Espírito Santo, na Paraíba.

De acordo com as informações iniciais, Eduardo Lins estava com amigos, quando recebeu os tiros. Ele não teria envolvimento com coisas ilícitas.

Apesar da gravidade dos ferimentos, Eduardo foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, onde se encontra internado. Ele foi intubado e seu estado de saúde é considerado grave.

A Polícia Militar não soube informar as circunstâncias do crime, nem a idade da vítima. As investigações devem ser iniciadas pela Polícia Civil da Paraíba.

Polêmica Paraíba 

“O Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios”

Cerca de 90% dos empreendedores paraibanos pretendem investir em negócios durante o ano

empreendedores sociais - Cerca de 90% dos empreendedores paraibanos pretendem investir em negócios

Segundo a pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios”, elaborada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), 88% dos empreendedores paraibanos pretendem realizar algum tipo de investimento em seus negócios durante o ano, contra 11% que não planejam nenhuma ação específica para 2022.

A pesquisa entrevistou 81 empresários paraibanos, entre microempreendedores individuais (MEI), donos de microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP)

Ainda conforme os dados, entre os empreendedores que planejam investir nos negócios em 2022, a maioria dos entrevistados, 20%, elegeu a divulgação da empresa como a prioridade para os próximos meses.

Em seguida, 18% afirmaram que pretendem modernizar o negócio, através de novos produtos e processos, enquanto 17% esperam ampliar o seu portfólio de produtos e serviços.

Já para 11% dos entrevistados na Paraíba, a prioridade de investimento será na ampliação da capacidade de produção e atendimento, seguidos por 10% que desejam investir na própria capacitação, 7% que esperam reformar o estabelecimento onde funcionam e por 5% que planejam investir na capacitação de funcionários.

2021 foi ano de ‘adaptação’

De acordo com a gerente da Unidade de Gestão Estratégica e Monitoramento do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, as expectativas dos empresários para 2022 estão relacionadas com o cenário que foi verificado no ano passado.

“Em 2021, os pequenos negócios buscaram se recuperar dos impactos negativos sofridos desde o início da pandemia, no ano anterior. Pudemos ver 2021 como um ano de adaptação para a nova realidade, ou seja, um momento em que as empresas tiveram de investir na capacitação de seus colaboradores, modificar drasticamente sua estrutura interna e adaptar produtos e serviços para as medidas e restrições”, explicou Ivani Costa.

Diante desse cenário que predominou em 2021, e do desejo dos empreendedores de investir mais em 2022, a gerente também destacou quais devem ser as prioridades das empresas.

“2022 precisa ser um ano de retomada, visto que as projeções são bem positivas e que os empreendedores estão mais preparados. Os pequenos negócios deverão optar por soluções ágeis, com geração de impacto na sustentabilidade, competitividade e na remodelagem de negócios, com foco no novo ambiente físico e digital, fortalecendo e agregando valor às necessidades detectadas do cliente”, acrescentou a gerente.

Portal Correio - Publicado por: Larissa Freitas

Dia Municipal da Paz no Trânsito

Prefeitura Municipal de João Pessoa faz ações educativas em alusão ao Dia Municipal da Paz no Trânsito nesta segunda-feira

Programação contará ainda, com uma atividade às 16h00, no Largo de Tambaú, com a campanha ‘Compartilhando Espaços’

Para conscientizar as pessoas por práticas prudentes por um trânsito seguro, a Prefeitura de João Pessoa, por meio da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob-JP), vai realizar ações educativas especiais, na nesta segunda-feira (24), Dia Municipal da Paz no Trânsito, no Parque Solon de Lucena e no Largo de Tambaú.

De acordo com Gilmara Branquinho, chefe da Divisão de Educação para o Trânsito da Semob-JP, a programação terá início às 9h, no Parque Solon de Lucena, com um comando educativo contando com a presença de representantes de órgãos de trânsito parceiros. “Pensando no cuidado que a gestão municipal tem em prol da segurança viária, vamos iniciar este dia tão especial pelo coração da cidade, a Lagoa, fazendo uma grande ação por todo o entorno, espalhando nossos flybanners e cavaletes, sempre presentes nas ações educativas e de abordagens à população”, ressalta Gilmara Branquinho.

Para George Morais, superintendente de Mobilidade da Capital, as ações em alusão ao Dia Municipal da Paz no Trânsito, são essenciais para alertar a sociedade para reduzir o número de vítimas envolvidas em acidentes. “Apenas no ano passado, tivemos o registro de 96 pessoas que perderam a vida, após acidentes na nossa cidade. Durante todo o mês de janeiro, estamos com ações simbólicas por todas as regiões do município, alertando as pessoas para reverem seus comportamentos, cuidando um do outro, no trânsito”, afirma George Morais.

A programação contará ainda, com uma atividade às 16h00, no Largo de Tambaú, onde os educadores de trânsito da Semob-JP estarão com a campanha ‘Compartilhando Espaços’, que tem como objetivo, incentivar o respeito entre as pessoas que circulam a passeio e/ou praticando atividades físicas.

Paraíba Já

Jovem diz que deixa seu namorado ‘brincar’ com sua própria mãe

TRISAL CASEIRO: Jovem diz que deixa seu namorado ter relações sexuais com sua própria mãe para ele ficar feliz

internet 2 - INACREDITÁVEL: Jovem diz que deixa seu namorado ter relações com sua própria mãe para ele ficar feliz

Foto: Reprodução

Na maioria das vezes as mulher que namoraram deixam claro que querem um relacionamento exclusivo, apenas entre duas pessoas e sem infidelidade.

Mas também existem aqueles que não se importam em deixar a relação aberta para mais pessoas, formando o que atualmente se chama de trisal.

Uma mulher há pouco tempo ficou famosa por revelar aos seus seguidores nas redes sociais que deixa o seu namorado ter um relacionamento com sua mãe, ou seja, a sogra do rapaz. A história foi exposta pela mulher através de sua conta no Tiktok, onde ela, que se chama Millie Sellers, rapidamente viralizou.

“Quer saber como faço para manter meu homem feliz? Eu o deixo ‘brincar’ com minha mãe“, disse a mulher, que não se importa em dividir o amado com sua genitora.

Ela deixa claro que quer ver o namorado feliz e pede para aqueles que comentam o comportamento para pararem de criticar ela por isso: “Não me julguem”.

Em um dos vídeos postados por Millie, é possível ver o namorado da jovem abraçando a sogra aparentemente sem nem um pouco de constrangimento.

Uma enorme quantidade de usuários rapidamente não perderam tempo em comentar sua opinião nos filmes compartilhados por Millie. Enquanto alguns disseram que não se importam com a vida da mulher, outros demonstraram grande repúdio por sua atitude em deixar o amado namorar a própria mãe. Frequentemente, os três aparecem em algumas gravações juntos no Tiktok e não se envergonham

Fonte: Giro 7 - Créditos: Polêmica Paraíba 

O 'rei do forró' se apresenta na Paraíba

Conhecido como o rei do forró, Bell Marques vai realizar show no ‘pré-carnaval’ em João Pessoa, capital da Paraíba, em fevereiro

bell marques 4 300x188 - Bell Marques vai realizar show no 'pré-carnaval' em João Pessoa; VÍDEO

Conhecido como rei do forró, o cantor Bell Marques deve participar do pré-carnaval em João Pessoa. Ele vai se apresentar no próximo dia 20 de fevereiro, em um evento privado.

O show será intitulado “Bloquinho do Bell” e, por causa da Covid-19, será controlado, com exigência de comprovante de vacinação contra o novo coronavírus.

Em João Pessoa, estão proibidos as festas carnavalescas em vias públicas por causa do aumento crescente de casos da variante Ômicron da Covid-19.

A gestão municipal, no entanto, mantém liberados os eventos fechados, com protocolos.

A empresa responsável pelo show de Bell Marques já iniciou a divulgação do evento. As vendas dos ingressos devem ocorrer ‘em breve’, de acordo com publicação feita na internet.

Apesar de ter o patrocínio da iniciativa privada, as autoridades já foram avisadas sobre a realização do evento.

Polêmica Paraíba - Publicado por: Felipe Nunes

22% dos brasileiros atrasam conta de luz para comprar comida

Energia elétrica mais cara já força 22% dos brasileiros a atrasar a conta para comprar alimentos básicos, como arroz e feijão

Levantamento do Ipec mostrou que o aumento da energia comprometeu, em média, metade do orçamento de um quarto dos brasileiros de baixa renda

A catadora de latinhas Valquíria Cândido da Silva, 47, mora em uma casa pequena no Grajaú, zona sul de São Paulo, com o marido e quatro filhos. Com renda familiar de R$ 2.000, ela teve de deixar de pagar a conta de luz para fazer a compra de alimentos do mês.

A fatura de energia, que antes da pandemia não passava de R$ 60, bateu R$ 370 neste mês. A de água saltou de R$ 30 para R$ 200 no mesmo período.

“Não tive escolha. A conta não para de subir e está tão alta que tive de adiar o pagamento para poder ter o que comer em casa”, afirmou Valquíria.

“Não paguei a água e cortei outros gastos também, como roupa e lazer. Trabalho para as contas. Os meninos estão na escola, temos gastos com eles, e, por isso, estou economizando em quase tudo”, disse.

Nos planos está a construção de um fogão a lenha para evitar pagar mais de R$ 100 por um botijão de gás. Também entrou no radar a captação de água de chuvas para lavar roupas e tomar banhos de bacia.

Valquíria faz parte do grupo de 22% dos brasileiros que, diante da alta explosiva das tarifas de energia e água, estão trocando o pagamento da conta de luz pela compra de alimentos básicos, como arroz e feijão.

É o que mostra pesquisa feita pelo Ipec para o iCS (Instituto Clima e Sociedade). Entre 11 e 17 de novembro de 2021, o instituto entrevistou 2.002 pessoas com 16 anos ou mais em todas as regiões do país.

O levantamento mostrou que o aumento da energia comprometeu, em média, metade do orçamento de um quarto dos brasileiros de baixa renda (até cinco salários mínimos — hoje, R$ 6.060).

A energia corroeu ao menos 25% dos vencimentos de metade da população brasileira.

No geral, quatro entre dez brasileiros reduziram despesas deixando de comprar roupas, sapatos e eletrodomésticos para arcar com a luz. A população de baixa renda é a que mais contribuiu com esse resultado.

Os cortes de despesas foram mais severos no Nordeste e no Centro-Oeste, onde um em cada quatro habitantes (28% e 27%, respectivamente) postergou o pagamento para ir ao supermercado.

Em Brasília, Ivânia Souza Santos, 38, ainda não sabe como conseguirá pagar a conta de luz. Desempregada, ela, o marido e três filhos pequenos moravam em uma ocupação próxima ao Palácio do Planalto, mas foram expulsos com outras famílias.

Com o auxílio mensal de R$ 600 pago pelo governo do Distrito Federal, ela alugou um apartamento pequeno — quarto e sala — de um prédio em Itapuã, bairro afastado da capital federal.

No edifício, três unidades compartilham um mesmo medidor de luz e dividem as despesas. “Em outubro, o governo parou de pagar e, agora, não tenho como quitar essa conta”, disse Ivânia.

Ela conta ter pedido um empréstimo a uma amiga para saldar o aluguel. “Com o que sobrou eu comprei mantimentos. A conta de luz está atrasada.”

O fornecimento só não foi interrompido porque os demais apartamentos realizaram o pagamento e Ivânia ficou como devedora dos moradores.

A tarifa de energia subiu demais porque a falta de chuva, que fez o ano de 2021 entrar para a história como o mais seco dos últimos 91 anos, reduziu o volume de água nas hidrelétricas.

Por isso, desde o início do ano passado, o governo autorizou com mais regularidade a contratação de energia produzida por termelétricas movidas a diesel, carvão e outros combustíveis fósseis que cobraram mais de R$ 2.000 o MWh (megawatt-hora), quase dez vezes o preço de referência.

O governo também permitiu a importação de energia da Argentina e do Uruguai por preços similares.

O resultado dessa política para o consumidor foi uma alta na tarifa duas vezes acima da inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), de acordo com o iCS.

Os cálculos, segundo o físico Roberto Kishinami, coordenador sênior de energia do instituto, não levaram em conta as bandeiras tarifárias e as medidas para contornar a crise hídrica que, em ano eleitoral, serão deixadas como herança para o próximo governo.

Em valores médios, a luz (tarifa mais impostos) subiu 1,32 vez mais que o IPCA durante os oito anos do governo Lula; 1,1 vez ao longo da gestão da ex-presidente Dilma Rousseff; 2,4 vezes sob Michel Temer e duas vezes no governo Bolsonaro.

Bolsonaro deixará um passivo superior a R$ 140 bilhões a ser repassado para os consumidores em 2023 — o que ficará sob a gestão de um segundo mandato ou de um eventual novo governo.

Para os especialistas, o peso dessa política será maior para as famílias mais pobres. “Para os mais ricos, a conta, mesmo subindo mais do que a inflação, não compromete a renda familiar”, disse Kishinami.

Em debate recente promovido pelo iCS, a economista Paula Bezerra, doutora em planejamento energético pela Coppe-UFRJ, afirmou que os 10% dos brasileiros mais ricos consomem 2,5 vezes mais energia que os 10% mais pobres.

Entretanto, para os mais abastados, a conta representa 2% do orçamento familiar. Entre os menos favorecidos, pode comprometer até metade da renda.

Essa desproporção deve ainda piorar diante da aprovação da lei que abriu o mercado para a geração distribuída, mecanismo que permite a instalação de placas solares ou unidades geradoras em cada domicílio com a previsão de abatimento na conta caso o gasto seja inferior à produção de cada domicílio.

Como esses equipamentos exigem investimentos, será uma solução para que os consumidores de renda mais alta gerem sua própria energia, escapando dos custos da rede elétrica das distribuidoras. Ou seja: com menos consumidores de maior poder aquisitivo rateando os custos do sistema elétrico nacional haverá uma sobrecarga ainda maior sobre os mais pobres.

A saída para evitar a indigência energética, segundo diversos especialistas do setor, é a criação de um programa de tarifa progressiva. “Esse é um fator de injustiça que precisa ser corrigido”, disse Kishinami.

A exemplo da proposta do Ministério da Economia, que pretende criar um Imposto de Renda que aumenta conforme a renda, esses técnicos defendem tarifas diferenciadas balizadas pelo ganho mensal das famílias. Existem propostas do gênero no Congresso, mas seguem paradas há duas décadas.

A tarifa social foi um feito nesse sentido, mas já não se mostra suficiente. “Ela trava o consumo em 30 kWh (quilowatt-hora) por mês”, disse Paula Bezerra.

“Essa taxa só comporta luz e um refrigerador eficiente. Como na maioria desses lares a geladeira não funciona direito, [boa parte da baixa renda] não cai nessa faixa”, afirmou.

Uma reforma do setor elétrico para corrigir essas distorções é uma necessidade urgente, diz o ex-diretor do ONS (Operador Nacional do Sistema) Luiz Barata, já que as dificuldades do consumidor de baixa renda são imediatas e não justificam planos que só olhem para o longo prazo.

O MME (Ministério de Minas e Energia) afirmou que a discussão sobre um novo modelo de tarifas está no projeto que trata da modernização do sistema elétrico e que os mais pobres não participaram do rateio do aumento de custos de geração.

Por meio de sua assessoria, a pasta disse que a, partir deste ano, a tarifa social será concedida automaticamente.

“Não será mais necessário solicitar à distribuidora”, disse o ministério. “Atualmente, cerca de 12,3 milhões de famílias no Brasil recebem a tarifa social. Estimativas apontam que existam mais 11,5 milhões de famílias em condições de usufruir dos descontos.”

Folha

Datena volta a apresentar interesse pela vida política

Apresentador José Luiz Datena diz que concorrerá ao Senado Federal

Esta é a quarta eleição consecutiva em que Datena se apresenta como potencial candidato.


Datena diz que concorrerá ao Senado

O apresentador de TV José Luiz Datena voltou a apresentar interesse pela vida política. Em seu programa, o apresentador, que é filiado ao PSD, afirmou que será candidato ao Senado Federal por São Paulo nas eleições de 2022. Esta é a quarta eleição consecutiva em que Datena se apresenta como potencial candidato.

A declaração ocorreu ao vivo após provocação do apresentador Fausto Silva, que esteve no Brasil Urgente para divulgar sua estreia na Band. Fausto afirmou que estava no programa para saber se Datena seria candidato. Em resposta, Datena disse: "Vou, vou. Ser candidato ao Senado. Eu não posso falar mais nada porque senão me ferram, mas isso [candidatura ao Senado] com certeza, isso eu cravei."

Fausto declarou apoio ao amigo: "Olha esse aqui. Não sei quanto tempo ele fica lá, porque ele não é de hipocrisia. Conchavo não é com ele". O apoio facilitou a confissão de Datena que disse ter recebido uma "rasteira para presidência da República". O apresentador do Brasil Urgente contou que recebeu orientação para divulgar sua candidatura à Presidência, mas, depois, o seu então partido, o PSL, iniciou um projeto de fusão com o DEM que, segundo Datena, acabou o prejudicando.

O desentendimento exposto por Datena começou em julho de 2021, quando o apresentador começou a declarar publicamente sua pré-candidatura à Presidência da República pelo PSL, partido no qual estava filiado na época. Segundo Datena, a sua candidatura era decisão de Luciano Bivar, presidente do partido. Entretanto, em outubro de 2021, a fusão do PSL com DEM fez com que o apresentador perdesse espaço no partido.

Datena se filiou ao PSD de Gilberto Kassab em novembro do mesmo ano. Na época, o desenho do partido era ter o ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) como candidato ao governo de São Paulo, com Márcio França (PSB) como vice, e Datena como senador.

Datena tenta lançar sua carreira política há seis anos. A primeira tentativa foi nas eleições de 2016, quando o apresentador pensou em disputar a prefeitura de São Paulo pelo PP. Entretanto, após o surgimento de denúncias de corrupção envolvendo o partido, Datena voltou atrás.

Nas eleições seguintes, em 2018, Datena chegou a confirmar em entrevista, inclusive ao Estadão, que iria se lançar como candidato por São Paulo a uma vaga no Senado pelo DEM, mas desistiu novamente. Segundo o próprio apresentador, a decisão foi tomada após conversar com sua família, que o teria pressionado a desistir do "sonho".

Em 2020, Datena foi cotado como vice-prefeito de São Paulo na chapa de reeleição de Bruno Covas (PSDB). Na época, ao declarar a desistência, ele afirmou que optou por ouvir a emissora Band e continuar como apresentador durante a pandemia de covid-19, quando "a Band precisava de seus apresentadores mais experientes". Ele também afirmou que o sonho de entrar para a política aconteceria em 2022.

Notícias ao Minuto