terça-feira, 12 de setembro de 2017

Organização criminosa do PMDB

Polícia Federal afirma que Temer decidia em suposto "Quadrilhão do PMDB" e recebeu R$ 31 milhões

De acordo com a Polícia Federal, Temer possuía poder de decisão do PMDB da Câmara

Créditos: Reprodução Brasil 247

Em relatório encaminhado nesta segunda-feira, 11, ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Polícia Federal afirmou que Michel Temer recebeu R$ 31,5 milhões de vantagens por participar do chamado "quadrilhão do PMDB", suposta organização criminosa formada por políticos, que atuou na Petrobrás e na administração federal.
O relatório da investigação, que teve início em 2015, era aguardado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para finalizar a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.
Segundo a PF, além de Michel Temer, também integram a organização criminosa dentro do PMDB: os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves; o ex-ministro Geddel Vieira Lima; e os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha.
De acordo com a PF, Temer possuía poder de decisão do PMDB da Câmara para indicar pessoas para cargos estratégicos e também para fazer a articulação com empresários beneficiados nos esquemas e receber valores de doações eleitorais.
A investigação mostrou, no entendimento da PF, que na organização hierárquica do PMDB da Câmara Temer seria uma figura semelhante a Eduardo Cunha. Para os investigadores, enquanto Cunha desenvolvia a parte obscura das negociações, Temer tinha como função oficializar os atos praticados pelo ex-deputado atualmente preso em Curitiba.
Ao quantificar a vantagem indevida que Temer teria recebido, a PF elenca R$ 31,5 milhões, sendo R$500 mil por meio de Rodrigo Rocha Loures, R$ 10 milhões da Odebrecht, R$ 20 milhões do contrato PAC SMS da diretoria de Internacional da Petrobras e R$ 1 milhão entregue ao coronel João Baptista Lima Filho, amigo pessoal do peemedebista.
As informações são do blog do jornalista Fausto Macêdo. 
Brasil 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário