quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Saiba um pouco da vida da esposa de Bolsonaro

Descubra o estilo de Michelle de Paula, esposa do presidenciável Jair Bolsonaro

Evangélica, mãe de uma menina de 8 anos, avessa aos holofotes e dona de um estilo despojado e simples; conheça a esposa do polêmico presidenciável


Descubra o estilo de Michelle de Paula, esposa de Jair Bolsonaro
Jair e Michelle, que têm cerca de 25 anos de diferença de idade, formam um casal que anda de mãos dadas, sorri para o outro e dá selinhos em público.
Notícias ao Minuto
Os dois se conheceram na Câmara dos Deputados, em 2007. Na época, Michelle era secretária parlamentar na Casa, e Bolsonaro já cumpria o seu quinto mandato como deputado federal.
Notícias ao Minuto
“Tudo começou quando nos vimos pela primeira vez, no gabinete do Jair. Não demorou muito para termos a certeza de que queríamos dividir uma vida a dois”, afirmou Michelle em entrevista a uma revista carioca, anos depois.
Notícias ao Minuto
Após seis meses de namoro, o político a pediu em noivado e, passados mais 90 dias, os dois casaram-se no civil, em novembro daquele mesmo ano. Michelle é mãe da filha mais nova de Jair Bolsonaro, Laura, de 8 anos.
Notícias ao Minuto
O casal mora em um condomínio de casas na orla da Barra da Tijuca, bairro nobre do Rio de Janeiro. Michelle é evangélica e frequentou durante anos a sede da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (Advec), igreja fundada pelo pastor Silas Malafaia.
Notícias ao Minuto
No entanto, a brasiliense começou a frequentar a Igreja Batista da Atitude, que também mantém uma sede na Barra da Tijuca, a partir de 2017. O período coincide com o distanciamento entre Bolsonaro e Malafaia.
Notícias ao Minuto
Estilo
Michelle é frequentemente vista com sapatilhas, jeans e blusinha. Ela adora comprar roupas da loja 'Zara'.
No Facebook, ela aparece com o marido em diversos momentos. Num deles, vestindo a camisa do Flamengo, e em pleno Maracanã, ela é só sorrisos.
Notícias ao Minuto
LifeStyle ao Minuto

Bolsonaro se mantém na liderança da corrida presidencial

Ibope: Jair Bolsonaro continua líder, Haddad sobe 11 pontos e se isola em 2º lugar

Ciro Gomes tem 11%; Geraldo Alckmin, 7%; Marina Silva, 6%


Ibope: Bolsonaro continua líder, Haddad sobe 11 pontos e se isola em 2º
O capitão reformado tem 28%, enquanto o petista subiu 11 pontos em relação ao levantamento anterior do Ibope e agora aparece com 19%. O pedetista aparece em terceiro, com 11%, mesmo índice da última pesquisa. Em seguida, tecnicamente empatados, estão Geraldo Alckmin (PSDB), com 7%, e Marina Silva (Rede), com 6%.
A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.No pelotão seguinte aparecem empatados com 2% Alvaro Dias (Podemos), João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB). Cabo Daciolo (Patriota) tem 1%, enquanto Guilherme Boulos (PSOL), João Goulart Filho (PPL), Vera (PSTU) e Eymael (DC) não pontuaram na pesquisa.
Brancos e nulos somam 14%, enquanto 7% não sabem em quem vão votar.
REJEIÇÃO
Os líderes na pesquisa também são os candidatos com maior índice de rejeição. Bolsonaro é rejeitado por 42% dos eleitores, enquanto 29% não votariam em Haddad.
Em seguida aparecem Marina (26%), Alckmin (20%), Ciro (19%), Meirelles (12%), Cabo Daciolo (11%), Eymael (11%), Boulos (10%), Dias (10%), Vera (9%), Amoêdo (9%) e Goulart Filho (8%).
SEGUNDO TURNO
Nas simulações de segundo turno, segundo o Ibope, Bolsonaro e Haddad empatam com 40% das intenções de voto. O candidato do PSL também empata em uma disputa com Alckmin (38%) e supera Marina (41% a 36%), e é superado numericamente por Ciro (40% contra 39%), mas tecnicamente empatados.
O Ibope ouviu 2.506 eleitores em 177 cidades brasileiras nos dias 16, 17 e 18 de setembro.
A pesquisa está registrada no TSE sob o número BR-09768/2018.O nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi contratada pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela TV Globo.
Política ao Minuto

Jeito Alckmin de fazer política incomoda aliados

Aliados querem que Alckmin dissemine pânico, e miram votos de Jair Bolsonaro

O tucano chegou a mencionar o risco de o Brasil caminhar na direção da Venezuela


Aliados querem que Alckmin dissemine pânico, e miram votos de Bolsonaro
Esses integrantes da campanha avaliam que, para obter algum crescimento nas pesquisas de intenção de voto, será necessário expôr de maneira muito mais dura a gravidade de um segundo turno sem o tucano.
Alckmin já vem falando do risco de o radicalismo e o populismo prosperarem, seja o de direita, com Jair Bolsonaro (PSL), seja o de esquerda, com o PT de Fernando Haddad.
O tucano chegou a mencionar o risco de o Brasil caminhar na direção da Venezuela. Mas, mesmo nessas circunstâncias, resiste a citar nomes. Seus colaboradores avaliam que ele é excessivamente cauteloso e de nada adiantará algumas peças mais agressivas no horário eleitoral gratuito se o próprio candidato não assumir a dianteira.
Auxiliares de Alckmin concordam que é preciso adotar discurso mais certeiro e claro. Observam, contudo, que o tucano rechaça sugestões de ser mais enfático ou mesmo alarmista. Prefere o tom que lhe é característico.
Rodadas de reuniões desde a divulgação de pesquisas da semana passada como o Datafolha, que mostrou oscilação negativa do candidato do PSDB, deixaram a equipe preocupada.
Concluiu-se que Bolsonaro ainda deve ser o principal alvo por estar com ele o voto mais passível de migrar para Alckmin. A identificação do eleitor de Haddad com o tucano é considerada mais inviável de ocorrer.
Tucanos se disseram embasbacados com o efeito que a defesa do voto útil parece ter surtido. Com receio do retorno do PT, eleitores conservadores que flertavam com candidaturas de Alckmin, João Amôedo (Novo), Henrique Meirelles (MDB) e Alvaro Dias (Podemos) passaram a declarar apoio ao próprio Bolsonaro, considerado mais competitivo. 
Política ao Minuto com informações da Folhapress

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Cantor visita parentes e amigos em Juru

EX VOCALISTA DA BANDA 'KARA NOVA', O JURUENSE JÔ MOREIRA FAZ SUCESSO AGORA NO GRUPO 'SELA RASGADA'

A imagem pode conter: Jô Moreira, chapéu
Como sempre faz quando encontra espaço na sua agenda de shows, o cantor Jô Moreira encontra-se na cidade de Juru, no Sertão da Paraíba, visitando seus pais, parentes e amigos, e matando a saudade da sua terrinha. 
Depois de fazer muito sucesso como vocalista da Banda Kara Nova, o juruense passou a integrar o grupo Sela Rasgada, a 'Rainha das Vaquejadas', com o qual vem fazendo shows por todo o país, a exemplo do 'JULHO E AGOSTO TOUR' recentemente realizado em São Paulo com agenda lotada, conforme se vê abaixo.
A imagem pode conter: 2 pessoas, incluindo Kara Nova, pessoas sorrindo, chapéu e texto
Cantando no estilo forró de vaquejada, Jô Moreira e a Banda Sela Rasgada têm lotado os eventos por onde se apresentam, quer seja em São Paulo, Minas Gerais ou Bahia, entre outros estados.
A imagem pode conter: 5 pessoas, incluindo Jô Moreira, pessoas sorrindo, pessoas em pé
Jô Moreira no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas - SP, em recente viagem para cumprir agenda no Estado do Pará
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé
Casa lotada: tem sido sempre assim, por onde o cantor Jô Moreira & 'Sela Rasgada' se apresentam Brasil afora

"Era um bom homem"

Mãe de grávida supostamente morta pelo marido afirma que suspeito nunca a destratou

“A minha filha gostava muito dele, ela já mais iria desconfiar de que ele fosse capaz”, disse a mulher

O jovem Vinícius Gabriel Ferreira Viana, de 24 anos, foi preso pela Polícia Civil, no bairro de Manaíra, na tarde desta segunda-feira (17) - (Foto: Reprodução)

A mãe da mulher que foi encontrada morta na praia do Bessa, em João Pessoa, no início de agosto, disse nesta terça-feira (18) em entrevista a uma emissora de João Pessoa que Vinícius Gabriel Ferreira Viana, 24 anos, preso como principal suspeito de matar Nathália Donato de Lima, 28, era "um bom homem" que nunca a destratou.
“Vivendo com ele normalmente ele nunca me destratou, muito pelo contrário, me tratava até melhor do que antes. Um bom homem era o que ele representava aqui em casa. A minha filha gostava muito dele, ela já mais iria desconfiar de que ele fosse capaz”, disse a mulher, que passou a conviver mais de perto com Vinícius depois da morte da filha, e chegou até mesmo a defender o genro de qualquer acusação.
Ela também confirmou que a filha estava grávida de 6 meses quando morreu, e revelou ainda que o rapaz mentiu quando disse ser militar da Marinha, tendo passado apenas um ano no curso. “Ele não era militar, nunca foi nada”, enfatizou.
Na tarde da terça-feira (18), a Polícia Civil prendeu Vinícius Gabriel no apartamento em que ele morava no bairro de Manaíra, por considerar que existem todas as evidências de que ele é culpado, como apontou o delegado Reinaldo Nóbrega — leia mais.
A polícia suspeita que o crime teria sido motivado por uma apólice de seguro de vida no nome da vítima, no valor de R$ 400 mil, que o suspeito era beneficiário e teria a intenção de embolsar.
A mãe de Nathália também contou o que sentiu quando encontrou o genro na delegacia ontem. “Quando eu vi o Vinícius naquela sala [delegacia], quando eu fui pegar meu telefone, eu vi a arma do Dr. Reinaldo [Nóbrega, delegado], a vontade que eu tinha era de dar a volta por trás, pegar aquela arma e meter uma bala na testa dele à queima roupa […] Ontem eu estava muito mal, muito mal mesmo”, complementou ela.
ClickPB

Senador é absolvido por unanimidade pelo STF

Supremo Tribunal Federal absolve Renan Calheiros no caso Mônica Veloso


2turma - FALTA DE PROVAS? STF absolve Renan Calheiros no caso Mônica Veloso

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu nesta terça-feira (18), por unanimidade (quatro votos a zero), absolver o senador Renan Calheiros (MDB-AL) da acusação de peculato (apropriação de dinheiro público).
Três ministros entenderam que não há provas para condenação do parlamentar: Luiz Edson Fachin, Celso de Mello e Ricardo LewandowskI. O ministro Gilmar Mendes considerou que não houve crime.
A ministra Cármen Lúcia, que também integra a Segunda Turma, não participou de sessão.
Em nota divulgada após a sessão, Renan disse que o resultado o fez “acreditar na Justiça e seguir em frente” (veja íntegra da nota ao final desta reportagem).
A ação penal foi aberta a partir do caso Mônica Veloso. Em 2007, o senador foi alvo de acusações de que uma empreiteira pagava a pensão da filha que ele teve com a jornalista.
Na época, Renan respondeu processo no Conselho de Ética e renunciou à Presidência do Senado.
De acordo com denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República em 2013, ao tentar comprovar que tinha recursos para pagar a pensão da filha, Renan prestou informações falsas ao Senado.
Ele foi acusado de fraudar um empréstimo de uma locadora de veículos em Maceió (AL) para justificar o dinheiro usado no pagamento da pensão.
Ainda segundo a PGR, Renan usou dinheiro da verba indenizatória do Senado, entre janeiro e julho de 2005, para pagar a locadora sem que a empresa tivesse prestado serviço.
Transporte de gado
Na época, o senador também apresentou notas fiscais e comprovantes de transporte de gado para provar que tinha renda para pagar a pensão.
Em relação a esses documentos, Renan foi acusado dos crimes de falsidade ideológica e documento falso. No entanto, o Supremo não aceitou a denúncia sobre esse tema, porque entendeu que houve prescrição.
Isso ocorre quando se passa muito tempo após o suposto cometimento do crime – no caso, junho de 2007 – e a lei extingue a punição.
Voto do relator
Segundo Fachin, apesar de haver indícios de irregularidades, restaram dúvidas sobre o desvio da verba indenizatória.
“O conjunto tem sim indícios que não se transformaram em prova capaz de gerar o édito condenatório (…) Nesse caso, a Procuradoria-Geral da República não provou sem o limite de dúvida necessário o desvio de verba indenizatório destinado ao mandato parlamentar”, afirmou o ministro.
Em um voto de mais de uma hora, Fachin citou diversos depoimentos dados na ação penal para afirmar que há contradição entre as testemunhas do processo, como funcionários da locadora de veículos.
“Os depoimentos prestados na instrução da ação penal mostram-se contraditórios em pontos cruciais no que dizem respeito à despesa de locação de veículo para verba indenizatória. Os funcionários declinaram informações genéricas. O cenário fático, de ônus probatório, coloca em xeque a efetiva prestação de serviços”, disse ele.
Conforme o ministro, os depoimentos indicam o pagamento em espécie pelo serviço, o que não é usual. Mas frisou que isso não indica irregularidade.
Votos de outros ministros
Revisor da ação penal, o ministro Celso de Mello também considerou que não há provas para confirmar as acusações.
“O ônus da prova, a autoria, materialidade, demonstração da relação de causalidade entre conduta e resultado, é exclusivamente de quem acusa. A insuficiência da prova penal, existente nos autos, não pode legitimar um juízo de certeza que possa autorizar a condenação do réu.”
O ministro Gilmar Mendes acompanhou os demais e criticou denúncias apresentadas sem provas.
“Temos que ter muito cuidado. Imaginemos que o tribunal tivesse afastado o presidente do Senado e agora viéssemos a dizer que foi um pequeno equívoco nosso. Um pequeno descuido, que a gente estava desprevenido. É preciso redobrar a cautela com denúncias.”
Mendes disse que trata-se de um “fato vexatório” porque começou há mais de 10 anos. “Está provado que não houve o crime. De fato esse é um caso vexatório.”
Acusação x defesa
No início da sessão, falou o subprocurador Juliano Baiocchi, em nome do Ministério Público. Ele pediu que Renan Calheiros fosse condenado pelo crime de peculato porque, na tentativa de tentar demonstrar alto rendimento, o senador não conseguiu comprovar a aplicação devida de dinheiro da verba indenizatória.
O advogado Luis Henrique Machado, que falou em nome do senador Renan Calheiros, negou qualquer irregularidade e afirmou que a denúncia teve viés político. Afirmou que é um caso “doloroso” para o parlamentar e disse que todas as notas fiscais apresentadas são regulares.
“É um processo muito doloroso do ponto de vista pessoal. O senador Renan Calheirso teve a vida devassada em razão dessa questão, de uma filha que teria recebido pensão alimentícia paga por terceiro”, disse.
“Este processo ficou dormitando no Ministério Público em 2008, 2009, 2010, 2011, 2012 e 2013. E justamente na semana em que ele concorria à presidência do Senado Federal, o doutor Gurgel atravessou uma denúncia, que ganhou o viés de interferir na disputa política daquela casa”, completou o advogado.
Veja a íntegra da nota divulgada por Renan Calheiros:
Esse julgamento encerrou um momento muito difícil de perseguição e acusações sem provas do ministério público contra mim.
Por causa dessa ação, tornaram-me réu, quase fui afastado da presidência do Senado e fui retirado da linha sucessória da Presidência da República.
Foi um massacre pessoal, familiar, moral, psicológico e institucional.
Ouvir dos ministros que o caso foi vexatório, que custou muito para a imagem do Senado e do país, me faz acreditar na justiça e seguir em frente.
Mas a quem responsabilizar pelas injustiças sofridas?
Renan Calheiros
Fonte: G1 - Publicado por: Fabricia Oliveira

Preso um dos líderes de assalto milionário ao Banco Central

Um dos líderes do assalto ao Banco Central em Fortaleza é preso treze anos depois


Untitled 7 - 13 ANOS DEPOIS: Um dos líderes do assalto ao Banco Central é preso

Um dos líderes do assalto milionário ao Banco Central em Fortaleza, Raimundo Laurindo Barbosa Neto foi preso nesta terça-feira, 18, em Boa Viagem, a 222 quilômetros de Fortaleza, 13 anos depois do crime.
A prisão foi feita pela Polícia Civil, que investiga Raimundo Laurindo por integrar grupo criminoso especializado em roubo a instituições financeiras e a veículos de transportes de valores. Raimundo fez exames de corpo de delito e foi transferido para Fortaleza.
O assalto ao Banco Central aconteceu em agosto de 2005, quando uma quadrilha roubou R$ 164,7 milhões, através de um túnel de 80 metros. Raimundo foi julgado pela participação no crime e condenado a 17 anos de prisão em regime fechado.
A 11ª Vara da Justiça Federal no Ceará expediu, além da condenação de Raimundo, sentença para Antônio Jussivan Alves dos Santos, o Alemão, de 49 anos e dois meses de reclusão, pagamento de multa de R$ 6,5 milhões e perdimento de todos os bens apreendidos.
Na mesma sentença, o juiz federal Danilo Fontenelle Sampaio condenou a uma pena idêntica o réu Marcos Rogério Machado de Morais, mas julgou improcedente a denúncia em relação a Josiel Lopes Cordeiro e Tadeu de Souza Matos.
Outros 15 réus já foram sentenciados pelo maior furto já praticado no Brasil. Os supostos 36 integrantes do núcleo original da quadrilha subtraíram R$ 164.755.150,00 em notas de R$ 50. Foram recuperados em dinheiro, bens móveis e imóveis, cerca de R$ 45 milhões, mais os bens de Alemão, que ainda não foram avaliados.
Seis suspeitos continuam foragidos, e quatro ainda não foram identificados. O assalto ao Banco Central acumula 15 ações penais, somando mais de 150 volumes.
Fonte: Estadão - Publicado por: Fabricia Oliveira

Bolsonaro na mira de grupo terrorista


Agentes de Israel teriam dito que grupo terrorista islâmico tem Jair Bolsonaro como alvo


Segundo colunista de O Globo, o alerta foi dado recentemente na Argentina, e a ameaça é levada a sério por aliados do presidenciável brasileiro.


ELEIÇÕES 2018: site recebe denúncias de mensagens de ódio e discriminação
Já não bastassem as incógnitas que ainda pairam sobre o atentado a faca  sofrido por Jair Messias Bolsonaro, que concorre à Presidência da República pelo partido PSL –como, por exemplo, se existem mais pessoas envolvidas no caso (tais como mandantes) além do perpetrador Adélio Bispo de Oliveira–, Lauro Jardim, colunista do jornal O Globo, divulgou que apoiadores próximos do candidato estão preocupados de que terroristas islâmicos possam ter o presidenciável como um alvo.
Segundo Jardim, a possibilidade “é levada a sério” pelo entorno do candidato, e o grupo que estaria por traz da ameaça é o Hezbollah, organização paramilitar (isto é, uma associação civil com estrutura de organização semelhante à utilizada por militares) fundamentalista (movimento religioso que prega interpretação literal de escrituras sagradas, neste caso o Alcorão) com sede no Líbano.
O comunicado sobre tal cenário de agressão pode até parecer fantasioso em um primeiro momento, mas foi dado por nada menos que agentes do Instituto de Inteligência e Operações Especiais do Estado de Israel, conhecido internacionalmente como Mossad.
Lauro Jardim afirmou que a advertência ocorreu recentemente (o colunista não especificou a data precisa) quando integrantes do serviço secreto israelense estiveram em visita à Argentina, sendo que aqueles agentes vieram até a América do Sul para alertar as autoridades locais de que o Hezbollah “faria duas vítimas” no continente: Mauricio Macri –o atual presidente argentino– e Jair Bolsonaro, ambos com visão política de direita.
Possível ligação entre Hezbollah e PCC
Complementando as revelações de Lauro Jardim, o site O Antagonista relembrou nesta segunda-feira (17) que no início de 2018, José Casado, o qual também escreve para O Globo, publicou em sua coluna que na virada do ano agentes provenientes dos Estados Unidos especializados em terrorismo e tráfico de drogas aumentaram seu contingente de oficiais nas maiores cidades brasileiras que fazem fronteira com Paraguai e Bolívia, com o intuito de investigar suspeitas de conexão entre o Hezbollah e um dos maiores grupos criminosos do Brasil, o PCC (Primeiro Comando da Capital, fundado em 1993 no Estado de São Paulo).
Na época da publicação citada acima, Casado já apontava que grandes facções criminosas do Brasil como o PCC, o carioca Comando Vermelho (CV) e a amazonense FDN (Família do Norte) estavam passando por um processo de “internacionalização” ao criarem conexões com grupos de outros países em busca da hegemonia no comércio de drogas. 
Além disso, existem evidências de que o narcotráfico patrocina determinadas campanhas eleitorais –em outubro do ano passado, por exemplo, o traficante conhecido como “Marcinho VP”, preso há 21 anos, disse em entrevista ao UOL que a venda ilegal de drogas não acaba justamente porque o tráfico financia candidatos brasileiros aos mais diversos cargos políticos. 
Levando tudo o que foi exposto em consideração, o quadro de perigo representado para Jair Bolsonaro (um militar da reserva do Exército) realmente acaba se tornando preocupante entre os apoiadores mais próximos do candidato, visto que uma das bandeiras de sua campanha à presidência foca exatamente em uma política de segurança pública rígida contra marginais, que se traduz, por exemplo, no estabelecimento em lei do chamado “excludente de ilicitude” –segurança jurídica na forma de não haver prisão em flagrante de agentes públicos em situações onde há claro risco de morte de um oficial, o qual, usando uma arma e fogo e em legítima defesa, possa vir a causar uma lesão grave ou mesmo a morte de um criminoso durante o estrito cumprimento do seu dever de proteger a população. 
terrorismo - Agentes de Israel teriam dito que grupo terrorista islâmico tem Jair Bolsonaro como alvo
Fonte: Blasting News - Publicado por: Alana Yaponirah

Piora o quadro de saúde de comunicador paraibano preso

Fabiano Gomes passa mal no Presídio PB-1 e é socorrido para hospital de João Pessoa


O comunicador Fabiano Gomes foi socorrido, na noite desta terça-feira (18), para o Hospital Ortotrauma de Mangabeira após passar mal no Complexo PB-1, onde está preso há 25 dias. A defesa do apresentador requereu na Justiça, semana passada, prisão domiciliar e internação dele após agravamento do seu quadro de saúde.
Ao Portal MaisPB a diretora do Ortotrauma, Jaqueline Aciole, explicou que o comunicador apresenta dores no peito e permanece em observação para realização de um eletrocardiograma, que investigará se há problemas mais graves ou se ele foi acometido por um pico de estresse.
Desde que foi encaminhado para o PB-1, esta é quarta vez que o apresentador apresenta problemas de saúde e é socorrido pelo Samu.
MaisPB
É a quarta vez que o comunicador sofre problemas de saúde -  (Foto: Reprodução)             

Mais venezuelanos na Paraíba

Operação Acolhida: Paraíba receberá 17 refugiados da Venezuela na próxima quinta-feira


Foto: (Antônio Cruz/Agência Brasil)
O Governo Federal vai transferir, na próxima quinta-feira (20), mais 17 refugiados da Venezuela para a cidade de Conde, no Litoral Sul paraibano. A informação foi repassada ao Portal MaisPB pela Casa Civil da Presidência da República.
Além da Paraíba, os venezuelanos serão levados para Manaus (AM), Brasília (DF) e Rio de Janeiro (RJ). O abrigo onde eles irão ficar no estado ainda não foi informado.
A iniciativa, que faz parte da Operação Acolhida, busca ajudar os solicitantes de refúgio e de residência a encontrar melhores condições de vida em outros Estados brasileiros. Todos aceitam, voluntariamente, a participar do programa e são vacinados, submetidos a exame de saúde e regularizados no Brasil – inclusive com CPF e carteira de trabalho.
A interiorização conta com apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Agência da ONU para as Migrações (OIM), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).
Para aderir à interiorização, o ACNUR identifica os venezuelanos interessados em participar e cruza informações com as vagas disponíveis e o perfil dos abrigos participantes. A agência assegura que os indivíduos estejam devidamente documentados e providencia melhoras de infraestrutura nos locais de acolhida. A OIM atua na orientação e informação prévia ao embarque, garantindo que as pessoas possam tomar uma decisão informada e consentida, sempre de forma voluntária, além de realizar o acompanhamento durante todo o transporte.
MaisPB

Prefeito é atropelado por motocicleta

Luciano Cartaxo é atropelado por moto quando descia do carro durante caminhada de Lucélio


O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), foi atropelado por uma motocicleta durante caminhada política de Lucélio Cartaxo no bairro João Paulo II, na noite desta terça-feira (18).
Ao Portal MaisPB, o ex-secretário Diego Tavares explicou que o acidente aconteceu quando o prefeito desceu do veículo em que estava e foi atingido pela moto. Tanto o prefeito quanto o condutor da moto caíram após a colisão.
Com ferimentos leves, o prefeito não chegou a ser socorrido para o hospital e já está em casa, segundo Tavares.
MaisPB

Liverpool 3 x 2 PSG

Roberto Firmino marca e Liverpool vence o Paris Saint-Germain na Liga dos Campeões


Firmino decidiu o jogo para o Liverpool, que estreou com vitória na Champions - Phil Noble/Reuters - 18.09.2018
O Liverpool venceu o PSG por 3 a 2 nesta terça-feira (18), em Anfield, pela rodada inicial da fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa.
Os destaques do jogo ficaram para Sturridge, Roberto Firmino e Mbappé.
O atacante inglês deixou Firmino no banco e marcou o gol que abriu o caminho para a vitória dos donos da casa.
Vindo dos reservas, o centroavante brasileiro entrou no jogo no fim e decidiu o confronto com um golaço.
O jovem francês, por sua vez, foi um dos principais criadores de jogadas do Paris Saint-Germain e ainda marcou um gol para os franceses na etapa final.
Camisa 10 do PSG, Neymar teve atuação apagada na Inglaterra. Ele pouco apareceu durante os 90 minutos e, quando acionado, foi parado pela marcação. O único lance de destaque do craque brasileiro foi o passe para o gol de Mbappé.
O resultado leva o Liverpool à liderança do Grupo C da Champions League, com três pontos e um gol de saldo.
No outro confronto da chave, o Estrela Vermelha recebeu o Napoli em Belgrado e o jogo ficou empatado por 0 a 0.
Liverpool começa com tudo e abre vantagem
O Liverpool começou bem em Anfield. Aos cinco, após cruzamento, Van Dijk chutou de primeira e Areola fez ótima defesa.
Aos nove, em cobrança de escanteio, Salah cruzou fechado e Areola tirou de soco.
Gómez recebeu cruzamento em escanteio aos 14 minutos e completou de cabeça, mas mandou para fora.
Neymar apareceu pela primeira vez aos 16 minutos. Ele se livrou da marcação pela esquerda, invadiu a área e chutou firme, mas Alisson espalmou. No rebote, Cavani completou de primeira e o goleiro brasileiro defendeu.
Aos 29, o Liverpool abriu o placar. Daniel Sturridge recebeu cruzamento de Robertson na área e completou de cabeça para vencer Areola.
Os Reds voltaram a assustar aos 31, quando, após bate-rebate, Sturridge teve sobra na área e tentou o chute, mas foi cortado pela zaga.
Aos 33, Neymar teve falta perigosa pela esquerda. O camisa 10 bateu com força, mas a bola explodiu na barreira.
No lance seguinte, Wijnaldum invadiu a área pela direita e foi derrubado por Bernat. O árbitro marcou o pênalti.
Na cobrança, Milner converteu com perfeição e ampliou para os donos da casa.
Não demorou muito e, aos 39, o PSG diminuiu. Após cruzamento pela esquerda e corte parcial da zaga do Liverpool, Meunier completou de esquerda e colocou o PSG no jogo.
Em final emocionante, Firmino decide
O início da etapa final foi morno, com poucos avanços dos donos da casa.
Aos 12, o Liverpool ampliou, mas rapidamente teve o gol anulado. Sturridge se aproveitou de sobra e finalizou de carrinho, atingindo o pé esquerdo em Areola. Na sobra, Salah completou para a rede. Segundos depois, a arbitragem marcou falta de Sturridge no goleiro do PSG.
Aos 16, Sturridge recebeu cruzamento na cara do gol e completou de cabeça, mas mandou em cima do goleiro Areola.
Dez minutos depois, Salah voltou a ter boa chance de gol. Após cruzamento pela direita e bate-rebate na área, o egípcio pegou a sobra e chutou de primeira, mas mandou para fora.
Aos 37, Mané fez grande jogada pela ponta direita e, sem ângulo, chutou rasteiro, mas mandou para fora.
No minuto seguinte, o PSG conseguiu o empate. Após bobeira da zaga, Neymar recebeu pela intermediária e passou para Mbappé, que dominou, se livrou da marcação e venceu Alisson para empatar o jogo.
Quando o confronto parecia decidido, Roberto Firmino resolveu para os Reds. Aos 47, o brasileiro, que há pouco havia entrado no lugar de Sturridge, recebeu na área, deixou a marcação no chão e chutou cruzado para marcar um golaço.
R7

"Ele não"

Atriz Bruna Marquezine se posiciona contra Jair Bolsonaro e tranca rede social


Bruna Marquezine decidiu usar as redes sociais, na última segunda-feira (17), para se posicionar contra Jair Bolsonaro. A atriz compartilhou um texto de Maria Ribeiro com a hashtag “ele não”, em oposição ao candidato à presidência da república, e em seguida trancou os comentários.
“Considerar ter uma filha mulher uma coisa ‘menor’ do que ter um filho homem não é família”, dizia a primeira parte da publicação.
E continuava: “Dizer que preferiria um filho morto a um filho homossexual não é família”.
A última parte tocou em um assunto em pauta na mídia nos últimos dias. “Considerar a gravidez um motivo para que as mulheres ganhem menos não é família, até porque muitos lares no Brasil são tocados sem a figura paterna. Família é amor incondicional, galera. E nem sempre isso tem a ver com sangue”, avaliava o texto.
Sem papas na língua, a namorada de Neymar legendou a publicação de forma sucinta. “É isso”, escreveu.
Após se mostrar favorável à campanha contra o candidato, a morena bloqueou os comentários no Instagram para se proteger contra os possíveis haters e defensores do político.
Famosidades