sexta-feira, 29 de julho de 2016

Pico de atividade sexual nos Jogos Olímpicos

Cada atleta deve transar seis vezes por dia nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

A goleira americana,  Hope Solo disse que já deu seus pulos (Foto: Divulgação)
A goleira americana, Hope Solo disse que já deu seus pulos (Foto: Divulgação)
Três jogadoras do time sueco de handball perguntaram ao técnico de Usain Bolt, nas olimpíadas de 2008: “Tudo bem a gente entrar no quarto do velocista para dar parabéns pelo ouro dele nos 100 metros?”. O treinador liberou. E os cumprimentos das suecas ao jamaicano estenderam-se por uma hora e meia, entre quatro paredes e uma porta fechada.
E não teve nada demais. Nos jogos, o sexo livre é a regra, não a excessão. Não que todos tratem a Vila Olímpica como uma versão extendida e sem cortes de American Pie. Não. Os que caem na farra são “só” “uns 70%, 75% dos atletas”, disse o nadador americano Ryan Lochte, ouro nos 400 metros medley em Londres numa entrevista para a ESPN.
Hope Solo, goleira do futebol feminino americano, concorda: “Se você não tem disciplina, a vila pode ser uma baita distração”, disse. Disciplina à parte, Hope mesmo disse que já deu seus pulos. Mas nem por isso a rival da brasileira Marta se deixou distrair tanto assim. Seus dois ouros, em Pequim e Londres, estão de prova.
Atletas de ponta, afinal, podem ser jovens, bonitos, extremamente saudáveis e estarem no pico da atividade sexual, mas não rasgam medalha. Tanto que a esbórnia só come solta para valer mais para o final dos jogos, quando o trabalho já acabou para a maior dos olímpicos. Aí ninguém mais segura. Que o dia Josh Lakatos, do time de tiro ao alvo dos EUA. Quando sua equipe foi eliminada, os chefes da delegação americana pediram de volta as chaves do alojamento em que o time estava (uma casa de três andares, na vila olímpica de Sydney). Lakatos devolveu. Mas não quis nem saber. Veterano de Sydney, ele já tinha plena consciência de a vila se transformaria numa balada daquelas de fazer Calígula corar. Para não perder a festa, então, arrombou a porta da casa. E o lugar virou um porto-seguro para a prática do esporte mais antigo do mundo. “Virei um gerente de motel”, brincou Lakatos, também para a ESPN. “Nunca vi tanta sacanagem na minha vida!”. E ele nem precisava ter “gerenciado” um ninho de amor para ter visto tudo isso. Há relatos de sexo ao ar livre, já que nem todos os casais (ou trios, ou quartetos) consegue achar um abrigo discreto como o de Lakatos.
Por essas, o Comitê Olímpico está distribuindo toneladas de camisinhas na vila olímpica. Serão 450 mil preservativos. Dá mais ou menos 45 por atleta. Três por dia de competição. Levando em conta que cada dupla olímpica só precisa de uma camisinha a cada round, a média de relações sexuais esperada pelo Comitê é de seis por pessoa a cada dia de competição. Mais: como um quarto dos atletas tende a não entrar na brincadeira, os 75% sexualmente ativos da vila devem superar essa marca sem grandes esforços.
De onde vem tanto fogo? Para começar, a quantidade de energia que um atleta de ponta tem estacada em suas células é inimaginável para gente como a gente. O consumo médio de calorias na vila olímpica, para você ter uma ideia, é de 9 mil por atleta – com alguns chegando a 15 mil (coisa que um humano comum leva quase uma semana para consumir). Tudo isso sem treinar tanto, porque eles precisam estar no ápice enérgico para as provas.
Você talvez dormisse por três dias se colocassse 10 mil calorias para dentro em 24 horas. Os atletas não: seus corpos são usinas de processamento de energia, e as calorias, combustível de alta octanagem. Some isso ao fato de todos estão confinados num espaço pequeno, e que as roupas de treino não são exatamente batinas de padre nem hábitos de freira, e pronto. Basta qualquer fagulha para que a vila entre em combustão sexual.
Mas não é só o corpo dos olímpicos que explica esse fogo. É a cabeça deles também. O cérebro de um atleta de ponta é tão diferente do nosso quanto a musculatura. “Atletas são éxtremistas?. Quando treinam, têm um foco de raio laser. Quando saem para uma cerveja, são 20 cervejas…”, explica Hope Solo, a morena de olhos azuis da foto ali em cima, e que acaba de desembarcar no Rio.
É isso. A intensidade da mente e dos corpos dos poucos humanos capazes de disputar uma olimpíada rende performances memoráveis, mas boa parte delas ocorre bem longe dos nossos olhos.
Fonte: super.abril.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário